Pesquisa
avançada
12866 joguetes
  • a noite da trepada

  • os cara de meia tão invadindo o quarto!

  • peguei um!

  • a mão biônica

  • peguei outro

  • esses são os baitolerrimos vampiros

  • esse cara é melhor que o Alejandro Rey

  • as garotinhas estão chegando

  • o vizinho desacreditado

  • esse cara é bom ator mesmo

  • soldado entra na casa

  • atuação!

  • opa! caras com meia na cabeça!

  • aaaaaah!

  • espione essas feias no banheiro

  • trash

  • siiiiiim

  • sim!

  • não, sargento, não desconecte meu joystick!

  • caixa desta COISA DE LOUCO

Eis um jogo tosco pra caralho que segue bem o estilo e a estética dos videogames com vídeo digitalizado dos anos 80. Sim, anos 80, pois foi projetado pra um antigo videogame da Hasbro que não passou do protótipo, como comprovam algumas filmagens extras escondidas num dos CDs em que aparece uma demonstração com alguns executivos. Eles devem ter visto a merda que tavam fazendo e desistido.

Mas do que se trata?

Vamos começar com a história. Uma família de vampiros psicóticos e meio baitolos que usa poderes iguais aos da novela Olho no Olho da rede Globo, vive numa casa repleta de armadilhas extremamente eficientes, como cama-catapulta que ejeta a pessoa pela janela, alçapões que se abrem no chão e levam pro nada, escadas que viram rampas e tranqueiras desse gênero. Eles alimentam um gigantesco grupo de monstros interpretado por dois caras vestidos com roupas pretas e com meias enfiadas na cabeça, os quais usam um brinquedo parecido com a mão-biônica da estrela pra capturar jovens americanas gostosinhas e gritonas, mas feias pra caralho.

Eis que diversas dessas jovens são convidadas pra passar a noite na casa.

Mas mal sabem os vampiros coxadores que o grupo SCAT, comandado por um sargento linha-dura e meio dador de ré no quibe, após ler o livro "Como se tornar um Hacker em 10 lições práticas (Inclui CD!)" conseguiu HACKEAR o sistema da casa e dar ao jogador o controle das armadilhas. Usando o teu belo SEGA GAME PAD tu vais controlar as cameras escondidas em 8 peças pra ver o que tá acontecendo em cada uma, e caso apareça um monstro pra ameaçar as jovens americanas gritonas, deves ativar uma das armadilhas e capturá-lo. NÃO DEIXE NENHUMA DAS PEITUDAS MORRER, SOLDADO, ou é game ovo.

E tem mais, a família de vampiros coxadores às vezes vai mudar o código de acesso das armadilhas, representado por uma cor, então preste atenção nos passos deles pra não perder o controle do sistema.

Se deixeres muitos monstros escaparem (cada monstro que escapa faz um agradável BLOP) é game ovo também, e o sargento vai OUSAR: rasgará o cabinho do teu joystick. Eu disse que o homem era violento.

Realmente exige muita coragem jogar um jogo vergonhoso e ruim pra caralho desses, mas tua experiência será recompensada se puderes admitir pro mundo que também és um da obra: atuações soberbas, efeitos especiais deprimentes e cenas dignas de um cine trash de primeira te esperam aqui. Tem o irmãozinho pentelho que vê os monstros e ninguém acredita, o vizinho que diz "não entrem aí, esse lugar é maldito", soldados escondidos pela casa, o negão se fazendo de jamaicano e outras baitolagens deliciosas.

Cuidado: conteudo ADULTO, sangue e violência, vinha escrito na caixa. Só pra vender mais, lógico.

Antes de encerrar este tosco review, vale a pena mencionar o fator que destaca este jogo dos demais, que é as cenas que acontecem ao mesmo tempo. Enquanto uma bobagem tá acontecendo em uma das salas, várias outras estão se passando ao mesmo tempo nos demais lugares. Como exemplo cito a belissima parte em que enquanto as jovens americanas feias pra caralho (porque não são o meu ideal OTAKU de mulher de cabelo azul) cantam um karaoke com a música tema do jogo na sala, na cozinha o irmãozinho pentelho de uma delas descobre cadáveres pendurados na geladeira, e no corredor um soldado gordão com metralhadora do rambo enfrenta os dois magrões com meia na cabeça que é o que tu mais vai ver nesse jogo.

Meu veredicto: uma pequena obra, mas apenas para os apreciadores da arte.