Pesquisa
avançada
12782 joguetes

tu se acha o ardcór das parada?

Game ovo Filmes que vão arrebentar a boca do balão
  • entrada

  • Dirk Diggler

  • princesa burusera

  • se afogando na água roxa

  • brincando de tarzan

  • beleza, heim?

  • o muro está se fechando

  • game over

  • veja o CU do cavalo

  • ravenzaça atuando em taboo

Eis aqui o PAI dos jogos mais abomináveis de todos os tempos. A categoria filme interativo foi aberta por essa porcaria.

O que mais posso dizer? Inventaram uma forma retardada de jogar que engana o jogador fazendo ele achar que está participando da história, quase que nem no livro Fahrenheit 457 eh eh eh. Um desenho animado que está num Laser Disc vai passando com um personagem chamado Dirk. Daí em cada cena o jogador tem que adivinhar para qual direção mexer na palanca ou apertar o botão da espada, usando o próprio instinto e as dicas fajutas que o jogo dá. Se errar, perde uma vida e começa de novo :( Emoção sem limites!

Como os desenhos eram bem feitos e na época não tinha nada parecido (o playback do laserdisc enganava bem), esse jogo comeu muito cu de gordinho. Lembro até hoje do Nego Seco gritando nos meus ouvidos sobre como esse jogo era bom e fantástico. Por falar nisso, até no Fantástico essa merda apareceu como se fosse uma inovação extrema.


Arte sem limites. É tudo o mais que posso dizer.


Este jogo é o equivalente a um gordinho empreendedor fazendo um curso de CEO para se tornar MBA numa empresa de ATMDPA e MPDPD: ele finge que é jogo e o jogador finge que tá jogando. Que abominação suprema, os controles não tem lógica nenhuma só pro cara perder instantaneamente, se tu aperta o botão um pouco antes da hora certa é game ovo, se aperta meio centésimo de segundo depois é morte certa e se tu fica parado é pior ainda. Fora as aleatoriedades e as saídas sem sentido nenhum: tipo se tem uma porta na tua direita, CERTAMENTE tu vai morrer se botar pra direita, o correto deve ser botar pra baixo porque vai vir voando uma merda do nada sem anúncio pra te fuder bem as cartas, o negócio é completamente contra-intuitivo. Lembro do dia que apareceu no Fantástico lá por 1983 ou 84 e a edição filha da puta da reportagem (que mostrou praticamente o jogo todo, narrado pelo Cid Moreira) fazia parecer que o cara tava jogando de verdade. Que grande ilusão. Filhos da puta os caras que fizeram esse jogo. O melhor ainda é o modo 2 player HOT SEAT NA JEBA. Só os desenhos que são bons, que são do Don Bluth, aquele camarada que saiu da Disney pra criar seu próprio estúdio, mas mais valia fazer pro cinema logo. :( Estou triste, miogs, após contemplar a grande EMPULHAÇÃO que é Dragon's Lair. Queria ser capaz de conseguir falar PIOR ainda desse jogo, mas é que vi muitas hediondices hoje e estou imaginando o filme 127 horas :( Talvez agora eu tenha que assistir pra entender que É MELHOR do que na minha imaginação. Porque nada pode ser tão ruim.


Update: Agora estou me sentindo melhor. Sim, meu amigo Diego me presenteou hoje com duas obras que aliviaram meu sofrimento e trouxeram de volta minha esperança na humanidade: o Courtyard do Alan Moore e a série completa Taboo Ametican Style. A vida volta a ser bela e repleta de alegria.


Lembro-me bem, era 1983 e meu filho gordinho tinha ido no shopping com a minha mulher e chegou em casa todo felizão gritando "Paiê, tem um jogo maravilhoso no fliperama do shopping, tu tem que vê, é maravilhoso, parece um desenho, é de um cavaleiro e au au au!"


Já fiquei irritado. Primeiro que estava assistindo o grenal e não gosto de ser interrompido no grenal, ainda mais que meu time estava perdendo. Tive que me segurar para não espancar a criança e esbravejar que fliperama de shopping não é fliperama. Mas como meu time estava perdendo, conforme já disse, e como o gordinho bicha ficava insistindo, decidi por bem ir até lá para ver o tal Dragon's Lair. Qual não foi minha decepção. Voltei para casa e a primeira coisa que fiz foi dar um tabefe na cara do garoto e mandá-lo sumir da minha frente.

Voltei à televisão e, aplicando um mata-cobra na cabeça de minha mulher, mandei que me buscasse uma cerveja, ordenando em seguida que tomasse o mesmo rumo do menino. Meu time empatou e o facto melhorou meu humor. Soltei um arroto de estremecer fundações, fui ao quarto de meu filho e tive com ele uma conversa de homem para homem nestes termos:

"Filho, faço isso para o seu bem. Estou criando você com rédea para que entenda o que é ser homem e o que é a vida. Fliperema de shopping não é fliperama, dragon's lair não é jogo. Agora vá dormir que amanhã você tem aula."

Minha mulher, emocionada, me recebeu na porta do quarto com outra lata de cerveja e com o olhar de quem queria me pagar um boquete.